Dilma detalha planos de combate a estiagem no Ceará

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Fonte: Márcia Vieira/ Blog do Planalto

A presidenta Dilma Rousseff conversou, nesta terça-feira (26.11), com as rádios 93FM e Dom Bosco FM, de Fortaleza, e falou sobre o combate aos efeitos da pior estiagem dos últimos 100 anos. Segundo a presidenta, ainda em 2015, o projeto de integração do São Francisco deve levar as águas do rio para o estado.

A presidenta detalhou as medidas emergenciais e estruturantes para a melhor convivência do cearense com a seca, classificada como uma das piores dos últimos 100 anos. No Ceará, a maior operação carro-pipa da história tem 952 veículos contratados e, sob a coordenação do Exército, atende 108 municípios do estado. Ainda estão sendo construídas 5.100 cisternas de produção.
O governo ainda paga, enquanto durar o período de seca, o seguro Garantia Safra, que beneficia, no estado, 278 mil agricultores, e o Bolsa estiagem, que atende 279 produtores rurais. Ainda estão sendo vendidos 157 milhões de toneladas de milho a preço subsidiado, para garantir alimento aos animais. Outra medida emergencial para o Ceará é a oferta de crédito, que já emprestou R$ 577 milhões a vários setores da economia.
“A convivência com a seca depende também de medidas estruturantes para tratar isso de forma mais robusta. Estamos investindo R$ 32 bilhões em barragens e açudes em todo os estados do Nordeste. No caso do São Francisco, tivemos que realizar projetos e contratos. Mas 49% das obras estão contratadas com 113 frentes de serviço em andamento. E, até o fim do ano, vão ser mais 1 mil trabalhadores. Em março de 2015, as águas chegam ao Ceará”, detalhou Dilma.