Curso de Panificação incrementa renda de agricultoras de Abreu e Lima

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Grupo de mulheres aprendeu a produzir iguarias com alimentos obtidos de suas hortas.

Tartelete, bolos de fruta-pão e batata doce, e torta de granola com aveia. Esses foram alguns dos pratos ensinados no curso gratuito “Trabalhador na Panificação – Bolos e Tortas”, do Senar Pernambuco, com o apoio do Sindicato Rural de Igarassu, para um grupo de doze mulheres do Engenho Pitanga 2, na zona rural de Abreu e Lima.

As aulas aconteceram na associação da comunidade e contaram com materiais obtidos das hortas das próprias alunas. De acordo com o supervisor de Treinamentos do Senar/PE, Antônio Ricardo, o foco do curso é incrementar a produção agrícola e, consequentemente, impulsionar a geração de negócios.

Instrutora de Agroindústria nas áreas de panificação – pães, biscoitos e bolachas, bolos, tortas e conservas de vegetais – hortaliças e frutas, Maria José de Oliveira, explica que as produtoras aprenderam, em cinco dias, técnicas de gastronomia nas áreas de panificação, bolos e tortas.

Declarações como enriquecedor, marcante e produtivo eram relatadas constantemente pelas alunas. Motivado, seu Edemir Pereira, presidente da Associação dos Produtores e Produtoras de Pitanga 2, adiantou “Já compramos materiais para melhorar a estrutura do nosso espaço e em breve estaremos bem equipados para receber mais cursos do Senar”, planejou.

Participante do curso, dona Iara Alves (51) produz e comercializa na feira de Abreu e Lima. Entre as iguarias beiju, manuê, pão de batata doce, salgados de inhame, macaxeira e milho. Após a capacitação, ela garante que vai agregar produtos como bolos e tortas nas próximas vendas. Já para a produtora Valéria Francisca, o grande diferencial foi descobrir que “antes do curso fazíamos vários pratos da forma errada, como a torta de abacaxi”, relata.

Esse é o segundo curso realizado na comunidade. Em agosto deste ano, as produtoras foram habilitadas na produção de pães, biscoitos e bolachas. O grupo foi capacitado entre os dias 19 e 22 de setembro. O curso teve carga horária de 40 horas, com aulas ministradas no turno da manhã e tarde.