Superintende do Senar/PE participa de encontro nacional

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

encontro de superintendentes do senar

O superintende do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Pernambuco (Senar/PE), Adriano Moraes, participou de encontro que reuniu 26 superintendentes regionais, em uma fazenda, de Alexânia (GO), a menos de 100 km de Brasília, quarta-feira (30) e quinta-feira (31).

“O encontro é uma oportunidade de alinhar as ações desenvolvidas nacionalmente e repensar a nossa forma de atuação, diante da demanda do setor agropecuário, que exige cada vez mais inovação tecnológica e mão-de-obra qualificada”, destacou Moraes. Para estimular os gestores na busca de novos caminhos e atender ainda melhor o produtor rural foram realizadas atividades dinâmicas e apresentadas iniciativas inovadoras de Regionais, além de muita conversa sobre as ações do Senar nos Estados.

“As instituições brasileiras estão muito fragilizadas e o nosso Sistema tem demonstrado força, seja pela característica das nossas lideranças, seja pela contribuição da agropecuária à economia. Todas essas incertezas políticas e reformas nos fazem repensar o futuro” completou Daniel Carrara, secretário Executivo do Senar, que coordenou o encontro.

Quase 100 polos de ensino técnico gratuito
O Senar fez parceria com o Ministério da Educação e passou a oferecer, a partir de 2015, o curso Técnico em Agronegócio, que conta com uma rede de 98 polos de apoio presencial, em 24 estados. “Já contabilizamos 63.095 candidatos inscritos, desde o lançamento, para as mais de 11 mil vagas ofertadas”, informou o chefe do Departamento de Inovação e Conhecimento (DIC), Luís Tadeu Santos.

Segundo ele, a cada novo processo seletivo aumenta a procura, que é impulsionada em grande parte pela propaganda boca a boca. “O curso tem alta aprovação daqueles alunos realmente identificados com o campo. Principalmente, pelos encontros presenciais e visitas técnicas, onde eles têm oportunidade de ver o aprendizado acontecendo na prática”, conclui.

A participação dos sindicatos foi colocada como fundamental para a expansão da rede. “Os sindicatos precisam ser nossos parceiros, ajudar desde a mobilização dos jovens, para garantir inscrições daqueles que tem identidade com o campo, até a busca de propriedades e agroindústrias para as aulas práticas. O curso é um excelente produto para auxiliar na empregabilidade dos jovens. Que sindicato não vai querer ter um técnico preparado para oferecer ao produtor?” Questionou Daniel Carrara ao falar sobre novos serviços que os sindicatos rurais podem oferecer para atrair associados.