México e Estados Unidos na rota de empresários pernambucanos

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Com o propósito de conhecer novos e eficientes mecanismos de previsão, prevenção de seus efeitos e de convivência produtiva com a seca, um grupo de empresários pernambucanos viajará nesta sexta-feira,26, com destino às cidades do México e Estados Unidos. A viagem de estudos foi organizada pelo Sebrae/PE e se estenderá até nove de maio. Integram a missão quinze pessoas, entre empresários, produtores, agrônomos, zootecnistas, representantes das Federações da Agricultura e do Comercio de Pernambuco, da Associação dos Avicultores, Senar / PE, Associação Auxiliadora da Agricultura, do Instituto de Tecnologia de Pernambuco, ex-secretários de Agricultura do Estado e professores da Universidade de Pernambuco. A ideia do grupo é buscar novas alternativas, novas tecnologias, diferente do que vem sendo feito no País, há mais de cinco décadas.

“Serão quatorze dias com uma pauta extensa, onde visitaremos universidades, fazendas privadas, centros de pesquisas, que desenvolvem experiências tecnológicas e que possam ser avaliadas para a região”, declarou o presidente da Federação de Agricultura de Pernambuco e consultor do Sebrae / PE, Pio Guerra. A viagem começa na madrugada desta sexta-feira, 26, com desembarque previsto para as 23h, na cidade de Hermosillo, no México. Na pauta do sábado, constam visitas à fazendas e Centros de pesquisas. Do México, o grupo segue para os Estados Unidos com cronograma de palestras e vistas nas cidades de College Station e Houston, ambas, no Texas, Lincoln e Omaha, no estado americano do Nebrasca.

O propósito da entidade, após essa missão, é criar entre os empresários um grupo de debates permanentes sobre a convivência produtiva com a seca e possibilitar a vinda de especialistas brasileiros e do exterior que subsidiem propostas de ações, nos estados do semiárido. A ideia é instituir um ambiente de debates permanente visando entender o fenômeno e avaliar soluções tecnológicas e políticas encontradas no Brasil e no exterior como resposta à secas, segundo Guerra.