Êxito de Pernambuco nas ações de Aprendizagem Rural é referência para Amazonas

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

DSC_2690

Gestoras das ações de Aprendizagem do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Amazonas (Senar-AM) vieram a Pernambuco, entre os dias 06 e 08, para conhecer a atuação da regional local, que é considerada referência nacional na capacitação de jovens do meio rural.

 A visita técnica foi conduzida pela coordenadora de Treinamentos do Senar Pernambuco, Mônica Pimentel. Durante três dias, a gestora apresentou as estratégias de ensino desenvolvidas pela regional pernambucana, bem como os resultados da ação que já capacitou gratuitamente mais de dois mil jovens em todo o Estado.

 “Nossas ações vão de encontro à necessidade do mercado de trabalho agropecuário, que requer cada vez mais tecnificação, otmização dos recursos humanos e físicos e o aprimoramento dos profissionais.  Esses são diferenciais que tornam o setor mais competitivo, mas também proporcionam a inserção de jovens mais preparados para o mundo do trabalho”, avaliou a coordenadora.

 Motivadas com a missão de implantar a Aprendizagem Rural no Amazonas, a gerente Técnica Rafaelly Lameira e a coordenadora Pedagógica, Elizabethe Alves, lembraram que a instituição amazonense solicitou o apoio da regional de Pernambuco com o intuito de entender o funcionamento do Programa de Aprendizagem.  “Viemos aqui buscar conhecimento, seguindo inclusive uma indicação do Senar Nacional”, explicou a gerente Técnica.

DSC_2731

Aprendizado que transforma

 Para as técnicas amazonenses, a palavra enriquecedora define a visita técnica. “Vivenciar a realidade de como a aprendizagem é conduzida em todos os seus processos e procedimentos e verificar os resultados positivos que essa ação pode trazer é estimulante”, destacou Elizabethe Marques.

 “Na visita a Usina Petribú atendida pelo Senar Pernambuco, nós podemos ver o impacto transformador dessa ação tanto para os jovens, que além de aprender um novo oficio podem ser contratados no quadro funcional da empresa, como para a Usina, que conta com mão-de-obra qualificada dentro do contexto que ela precisa”, completou Rafaelly.